quarta-feira, 12 de dezembro de 2018

"Sou desastrada,


(...) não tenho o corpo perfeito, me esqueço das coisas rápido, gosto muito rápido das pessoas, meu cabelo é bagunçado, sempre fico chateada quando falam mal de mim, mas tento ser forte. Às vezes sou antagônica, mas uma coisa que eu nunca vou conseguir ser é normal."

terça-feira, 11 de dezembro de 2018

"A gente nega que tá cansado,


(...) nega que tá com medo, nega até o quanto que a gente quer ter sucesso. E, mais importante, a gente nega que estamos em negação. A gente só enxerga o que quer e só acreditamos naquilo que queremos e assim dá certo. Nós mentimos tanto que as mentiras começam a parecer verdade. E negamos tanto, que a gente não consegue reconhecer a verdade quando tá na nossa cara."

"Ela teimava em ser diferente,


(...) e ela era."

sexta-feira, 7 de dezembro de 2018

"Sem falar que estava permanentemente ocupada,


(...) em querer e não querer ser o que eu era, não me decidia por qual de mim, toda eu é que não podia; ter nascido era cheio de erros a corrigir."


in Os Desastres de Sofia pertencente a obra “A Legião Estrangeira”

quinta-feira, 6 de dezembro de 2018

''Minha lâmpada de cabeceira está estragada.


(...) Não sei o que é, não entendo dessas coisas. Ela acende e, sem a gente esperar, apaga. Depois acende de novo, para em seguida tornar a apagar. Me sinto igual a ela: também só acendo de vez em quando, sem ninguém esperar, sem motivo aparente. Para a lâmpada pode-se chamar um eletricista. Ele dará um jeito, mexerá nos fios e em breve ela voltará a ser normal, previsível.
Mas e eu? Quem desvendará meu interior para consertar meus defeitos? ''

quarta-feira, 28 de novembro de 2018

quinta-feira, 22 de novembro de 2018

quarta-feira, 14 de novembro de 2018

"Todo dia eu penso: podia sentir menos e menos e menos.


(...) Mas não adianta, tudo me atinge, abala, afeta, arrebata, maltrata, alegra, violenta de uma forma absurda e intensa. Nasci pra ser intensa e dramática. Nunca sei direito se a vida me fez assim, as situações fizeram com que eu me tornasse assim, não sei, não sei. A última e única coisa que lembro é de sentir. Eu sinto o sentir. Sei que parece papo de louco, mas é verdade, é real, sinto demais. A realidade me consome. Mas me consome e-xa-ge-ra-da-men-te. A vida maltrata quem sente demais. Quem sente demais acaba sofrendo mais que a maioria das pessoas. Tudo importa, tudo é exagerado, tudo é sentido de corpo e alma. Alma, principalmente."

"Sempre me via diferente com pessoas da minha idade,


(...) minhas ideias nunca acompanhavam, meus gostos nunca batiam, explicava mil vezes a mesma coisa tentando mostrar meu ponto de vista - meu jeito raramente era compatível com os demais. Fui incompreendido boa parte da minha vida. Era estranho, às vezes eu sentia que carregava uma alma mais velha que meu corpo."

quarta-feira, 7 de novembro de 2018



"Sei que dá vontade de abrir um zíper nas costas e sair do corpo porque dentro da gente, nesse momento, não é um bom lugar para se estar."


quinta-feira, 25 de outubro de 2018

Há um certo momento que toda sua vida sai de seu curso.


(...) Nesse momento de desespero você deve escolher a sua direção. Você lutará pra seguir o caminho? Outros vão dizer quem você realmente é? Ou você mesmo vai se rotular? Você será honrado pela sua escolha? Ou abraçará seu novo caminho? Cada manha você escolhe em seguir em frente ou em simplesmente desistir. Há um certo momento que toda vida sai de seu curso. Nesse momento de desespero, quem você será? Você baixará a guarda? E achará conforto em alguém em que não esperava? Você esticará os braços? Você enfrentará seus maiores medos corajosamente? E seguirá em frente com fé? Ou você vai sucumbir a escuridão da sua alma?"
 

segunda-feira, 22 de outubro de 2018

"Ninguém nunca soube do meu medo


(...) de nadar em lugares muito profundos, de amar demais, de se perder um pouco de tanto amar, de não ser boa o suficiente. Ninguém nunca viu meu corpo de verdade, minha alma de verdade, meu prazer de verdade, meu choro baixinho embaixo da coberta com medo de não ser bonita e inteligente."

domingo, 21 de outubro de 2018

"Lamento,



(...) mas não sou de despedidas, não gosto de dar um tchau ou um adeus assim, da boca pra fora, prefiro um até logo, esses outros me parecem muito definitivos, sem volta, daqueles que se dizem pra quem nunca mais quer ver, ou pra quem já foi e não volta mais; e eu gosto disso, dessa possibilidade da volta, dessa falta de despedidas, dessa sinceridade das palavras."

sexta-feira, 19 de outubro de 2018

"Sempre gostei mais do silêncio do que do barulho.



(...) Sempre gostei de estar só com pessoas queridas do que no meio da multidão. Sempre gostei mais do amor do que da paixão. Sempre gostei de fazer aquilo que quero e não o que querem que eu faça. Sempre gostei de ser eu, sem me preocupar com o pensamento dos outros. Quem gosta se aproxima, quem não gosta critica."