sexta-feira, 23 de junho de 2017

"Mas a gente nunca tira tudo.


(...) Sempre as esconde aqui, esconde ali, finge para si mesmo que ainda serve. A gente sabe. Que tá curta, pequeno, apertado. É que a gente queria tanto. Tanto."

quinta-feira, 22 de junho de 2017

" Todos nós estamos no mundo para correr riscos…


(...) Tenho medo da morte, mas não quero perder a vida. Tenho medo do amor, porque ele envolve coisas que estão além de nossa compreensão; sua luz é imensa, mas sua sombra me assusta."

domingo, 4 de junho de 2017

sábado, 3 de junho de 2017

"O amor quer a posse, mas não sabe o que é a posse.


(...) Se eu não sou meu, como serei teu, ou tu minha? Se não possuo o meu próprio ser, como possuirei um ser alheio? Se sou já diferente daquele de quem sou idêntico, como serei idêntico daquele de quem sou diferente? O amor é um misticismo que quer praticar-se, uma impossibilidade que só é sonhada como devendo ser realizada."

sexta-feira, 2 de junho de 2017

"Custamos a respeitar as dores invisíveis,


(...) para as quais não existem prontos-socorros. 
Não adianta assoprar que não passa."

Espere eu arrumar a alma



"Não entre agora não. Você vai se perder nessa minha desordem. Se quiser, fique parado aí na porta observando. Você vai ver que a minha vida anda mesmo inabitável.

Não é nada pessoal. Não é você, sou eu. Sério. Não é o seu signo nem os seus hábitos um tanto irritantes – essas coisas eu aguentaria. É que eu não quero afogar ninguém no meu mar de incertezas, entende?

Espere a chuva passar. Quando o sol raiar de novo eu abro a janela pra ele e a porta pra você. Juro que espio antes no olho mágico pra me certificar de que você ainda está lá – e espero te ver, olhando distraído pro teto aqui do prédio, com as mãos no bolso e um rosto um tanto quanto despretensioso.

Espere eu abandonar o tarja preta e passar a beber menos. Deixe eu ver a vida com mais jeito que eu dou um jeito de pôr na minha vida – isso é uma promessa. É que eu tô meio cansada pra ser o descanso de alguém, entende? Sou mar bravo demais pra você navegar.

Ficar sozinha não é uma ideia idiota – bem, talvez seja um pouco quando existe por aí alguém como você, mas eu tô arrumando meu mundo pra só depois abrir pra visitação. E você é convidado de honra. Mas, agora, nem eu consigo morar aqui sem sentir um nó na garganta em algumas manhãs. Deixe a vida me sorrir de novo que eu devolvo o sorriso pra você. Deixe ela me mostrar onde eu errei, pra ver se por milagre eu não erro com você. Deixe eu me compreender até que tenha alguma compreensão pra te oferecer. Deixe eu me relacionar comigo.
Deixe eu limpar os cacos, arrumar a casa, pôr a alma em ordem. Quando eu parar de almoçar no fastfood e fumar pela manhã, talvez eu me dê conta que retomei as rédeas da minha vida porque, no momento, elas estão soltas. Livres como eu gosto de ser.

Ninguém merece alma limpa em casa suja. Ninguém merece ancorar o outro e, sinceramente, eu sou a minha própria âncora. Não é justo se apoiar no outro e arriscar fazê-lo cair junto. Prefiro levantar sozinha pra poder te abraçar de pé. Te olhar nos olhos, jogar as cartas, mostrar quem eu sou quando a vida não está me dando tantos golpes.

Deixe eu ser um pouco menos filha da puta antes de te deixar ficar. Olha, eu prometo que tenho tentado. Deixe eu ter amor pra mim pra multiplica-lo pra você. Deixe eu ser um pouco mais minha pra depois, então, ser um pouco tua."


quinta-feira, 1 de junho de 2017

"Uma mágoa não é motivo para outra mágoa.


(...) Uma lágrima não é motivo para outra lágrima. Uma dor não é motivo para outra dor. Só o riso, o amor e o prazer merecem revanche. O resto, mais que perda de tempo…é perda de vida."


terça-feira, 23 de maio de 2017

"Essa preguiça de um pouco de tudo,


(...) a falta de humor toma parte do meu tempo, ando desmotivado, o futuro parece muito longe e qualquer tentativa de expressar o que está engasgado, me faz parecer dramático em excesso, quero dormir o dia inteiro, mesmo sem sono, minha cama parece estar em um lugar seguro, longe do mundo, meu quarto, meu universo solitário. Queria desabafar com alguém por horas e horas, mas as pessoas próximas não me correspondem, parecem nunca entender, parecem nunca escutar, não as coisas que eu digo, parecem não escutar as coisas que eu tenho a dizer. A gente diz muita coisa sem dizer, mas quem vai entender?"

segunda-feira, 22 de maio de 2017

Dos silêncios.


"O que as pessoas mais desejam é alguém que as escute de maneira calma e tranquila. Em silêncio. Sem dar conselhos. Sem que digam: “Se eu fosse você”. A gente ama não é a pessoa que fala bonito. É a pessoa que escuta bonito. A fala só é bonita quando ela nasce de uma longa e silenciosa escuta. É na escuta que o amor começa. E é na não-escuta que ele termina. Não aprendi isso nos livros. Aprendi prestando atenção."

domingo, 21 de maio de 2017

Eu sei e você sabe,


(...) já que a vida quis assim que nada nesse mundo levará você de mim. Eu sei e você sabe que a distância não existe, que todo grande amor só é bem grande se for triste. Por isso, meu amor, não tenha medo de sofrer que todos os caminhos me encaminham pra você..."

quinta-feira, 18 de maio de 2017

Não seria eu


Se não fossem as minhas malas cheias de memórias
Ou aquela história que faz mais de um ano
Não fossem os danos
Não seria eu


Se não fossem as minhas tias com todos os mimos
Ou se eu menino fosse mais amado
Se não desse errado
Não seria eu


Se o fato é que eu sou muito do seu desagrado
Não quero ser chato, mas vou ser honesto
Eu não sei o que você tem contra mim
Você pode tentar por horas me deixar culpado
Mas vai dar errado, já que foi o resto
Da vida inteira que me fez assim


Se não fossem os ais
E não fosse a dor
E essa mania de lembrar de tudo feito um gravador
Se não fosse Deus bancando o escritor

quarta-feira, 17 de maio de 2017

"Meu maior medo é viver sozinho


(...) e não ter fé para receber um mundo diferente e não ter paz para se despedir. Meu maior medo é almoçar sozinho, jantar sozinho e me esforçar em me manter ocupado para não provocar compaixão dos garçons. Meu maior medo é ajudar as pessoas porque não sei me ajudar. Meu maior medo é desperdiçar espaço em uma cama de casal, sem acordar durante a chuva mais revolta, sem adormecer diante da chuva mais branda. Meu maior medo é a necessidade de ligar a tevê enquanto tomo banho. Meu maior medo é conversar com o rádio em engarrafamento. Meu maior medo é enfrentar um final de semana sozinho depois de ouvir os programas de meus colegas de trabalho. Meu maior medo é a segunda-feira e me calar para não parecer estranho e anti-social. Meu maior medo é escavar a noite para encontrar um par e voltar mais solteiro do que antes. Meu maior medo é não conseguir acabar uma cerveja sozinho. Meu maior medo é a indecisão ao escolher um presente para mim. Meu maior medo é a expectativa de dar certo na família, que não me deixa ao menos dar errado. Meu maior medo é escutar uma música, entender a letra e faltar uma companhia para concordar comigo. Meu maior medo é que a metade do rosto que apanho com a mão seja convencida a partir com a metade do rosto que não alcanço. Meu maior medo é escrever para não pensar..."