terça-feira, 14 de março de 2017

“Sabe o que senti quando acordei hoje de manhã?


(...) Nada. Nem paixão, nem entusiasmo, nem fé, nem emoção. absolutamente nada. Eu acho que eu passei do ponto onde se poder chamar isso de um mal momento e isso me apavora. Meu Deus, essa ideia é pior do que a ideia da morte. É essa pessoa que eu vou ser de agora em diante?”.

terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

Eu não sou especial. E nem você.


Antes de mais nada, esse texto não é para te colocar pra baixo. Muito pelo contrário! É para te ajudar a se libertar do peso que é a ideia de que você é especial.
porque nos achamos especiais?
Segundo a visão do yoga, temos dois tipos de ego. Ahamkara é o ego natural. Aquele que é uma função da mente, que te faz dizer “eu existo, sou um indivíduo”. O segundo é asmita, ou falso ego, raiz do egoísmo. Asmita te faz dizer “eu existo, mas eu sou especial, e por isso mereço o que há de melhor”
Pensamos que somos especiais por causa de asmita, ou falso ego, raiz do egoísmo.
E porque a ideia de ser especial é um peso? Porque quando vivemos sob essa lógica, colocamos as nossas expectativas lá em cima no que diz respeito à nossa vida em todos os aspectos: relacionamentos, educação, trabalho etc.
Queremos acreditar que somos os melhores naquilo que fazemos, queremos ser vistos como os melhores. Mas quando a vida e as pessoas não demonstram isso, nos sentimos frustrados e sofremos.
Já houve um tempo que eu mesma pensava que era especial e merecedora das graças do mundo. Mas graças à prática de yoga e meditação eu entendi, não através da mente racional, mas pela percepção pura e gradual, que isso é a maior ilusão. E acredite, é extremamente libertadora a sensação de perceber que cada um de nós nada mais é do que simplesmente uma gota do mesmo oceano.
Quer um exemplo? Olhamos para o nosso sistema solar e achamos que o Sol é especial, pois ele fornece as condições ideais para a vida na Terra. Essa é a visão micro. Mas quando expandimos nossa visão, olhando pelo ponto de vista macro, vemos que o Sol é só mais uma estrela dentre um número incalculavelmente grande de outras. E, ainda por cima, é uma das pequenas. Isso não diminui a sua importância, mas abre a nossa percepção para uma realidade muito maior do que a nossa percepção pode alcançar.
Você pode admirar algumas pessoas a ponto de considerá-las especiais. Pode ser porque elas fazem coisas fantásticas ou porque elas têm um jeito especial que você não sabe dizer muito bem porquê.
Para fazer coisas extraordinárias é preciso ter um senso de comunidade muito grande. Da mesma forma, pessoas que têm um “jeito especial” são assim porque são desapegadas de si mesmas, e geralmente colocam o bem estar alheio antes do próprio. E para fazer as duas coisas é preciso abrir mão do egoísmo e pensar macro. Logo, eu posso lhe dizer que essas pessoas “especiais” dificilmente se acham especiais.
Além disso, temos aqui uma lógica muito simples. Se todos são especiais, então ninguém é especial. É ou não é?
Então é isso: eu não sou especial, nem você. Para mim, ninguém é especial. Somos seres semelhantes, com atributos e personalidades diferentes, e só. Nossos desejos e anseios são basicamente os mesmos, com algumas caras diferentes, mas em essência são os mesmos.

Então, ao invés de pensar que você é especial e esperar que a vida lhe dê tudo de bom, saiba que você é apenas mais uma gota no oceano. Uma gota se perde facilmente, mas quão grande é o oceano? 

Namastê!

...


segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

"O mais importante e bonito, do mundo, é isto:



(...) que as pessoas não estão sempre iguais, ainda não foram terminadas - mas que elas vão sempre mudando."

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2017

"Não basta o silêncio de fora.



(...) É preciso silêncio dentro. E aí, quando se faz silêncio dentro, a gente começa a ouvir coisas que não ouvia."

quarta-feira, 25 de janeiro de 2017

"Eu perdoo,


(...) já me acostumei com insensibilidades gratuitas, o que vier está sendo mais um brinde para a coleção de desencantos."

segunda-feira, 23 de janeiro de 2017

domingo, 22 de janeiro de 2017

“Os amigos são próprios de fases:


(...) da rua, do Ensino Fundamental, do Ensino Médio, da faculdade, do futebol, da poesia, do emprego, da dança, dos cursos de inglês, da capoeira, da academia, do blog. Significativos em cada etapa de formação. Não estão em nossa frente diariamente, mas estão em nossa personalidade, determinando, de modo imperceptível, as nossas atitudes. Quantas juras foram feitas em bares a amigos, bêbados e trôpegos? Amigo é o que fica depois da ressaca. É glicose no sangue. A serenidade.

terça-feira, 10 de janeiro de 2017

"E num determinado ponto eu percebi,


(...) Toda vez que eu começa a ficar feliz, eu parava. Eu me sentia mal, por me sentir feliz.  Nem que fosse só por um minuto. Para a gente dar certo no futuro, eu tinha que fazer as pazes com o passado. E pra isso eu precisava de tempo. Eu espero que eu esteja melhor em um ano. E estar sentada com você lendo essa carta. Mas se eu não estou, não é porque eu não te amo. Porque eu o amo. E não é porque eu não sinto a sua falta. Porque eu já sinto. Isso só significa que eu ainda não me sinto bem. E essa história não acabou ainda."

sábado, 7 de janeiro de 2017

sexta-feira, 6 de janeiro de 2017

“Nunca sequer gostei de refrigerante na vida,


(...) mas semana passada fui ao médico e ele proibiu terminantemente de beber. Saindo do consultório, me veio a vontade louca de tomar um gole e sentir aquele líquido gaseificado e aromatizado artificialmente passando pela minha garganta. No outro dia, nada mais já me importava na vida a não ser esse bendito fruto proibido. Eu só tinha olhos para o refrigerante. Só pensava no refrigerante. Acordava e ia dormir querendo refrigerante. Não por gostar, mas por saber que eu não posso. É mais ou menos assim com você.”