quarta-feira, 9 de janeiro de 2019

“Veja e sinta as coisas como se elas fossem o que realmente são: passageiras.


(...) Acorde de manhã e decida entre duas coisas: ficar de mau humor e transmitir isso adiante ou sorrir… bom mesmo é ter problema na cabeça, sorriso na boca e paz no coração! Aliás, entregue os problemas nas mãos de Deus e que tal um cafézinho gostoso agora?” 

segunda-feira, 7 de janeiro de 2019

"Dias bonitos me fazem querer viver mais.


(...) O céu azul, o dia lindolindolindo - não importa o que façam com ele -, os pássaros parados nos fios do poste... até mesmo o calor infernal dos últimos dias e os carros que quase me atropelaram. Hoje não quis ficar triste ou sentir qualquer outra coisa que não me deixasse ver o dia que eu estava perdendo até antes das dez da manhã. Não importa o quanto o sono esteja me faltando ou o quanto o amor me perturba e não me deixa dormir, saí de bicicleta pelos arredores do bairro em que moro para sentir o pouco vento bater no rosto. Acostumei com aquele ditado de "quem procura, acha" e resolvi que não queria achar era nada, queria mesmo era continuar assim, do jeito que tava! Resolvi não mais me preocupar. Só respirar, sabe? Essa coisa de sentir dá um cansaço na gente! "E gerúndio infinito que sou, continuo sendo o avesso de sempre"."

segunda-feira, 31 de dezembro de 2018

“Ainda que a minha mente


(...) e o meu corpo enfraqueçam, Deus é a minha força, Ele é tudo o que eu sempre preciso.

domingo, 30 de dezembro de 2018

sexta-feira, 21 de dezembro de 2018

"Dói, um pouco.


(...) Não mais uma ferida recente, apenas um pequeno espinho de rosa, coisa assim, que você tenta arrancar da palma da mão com a ponta de uma agulha. Mas, se você não consegue extirpá-lo, o pequeno espinho pode deixar de ser uma pequena dor para transformar-se numa grande chaga."

in “Os Dragões não Conhecem o paraíso”

quinta-feira, 20 de dezembro de 2018

"O tempo é uma abstração, não pode ser medido.


(...) Peça à garota apaixonada que espera pelo namorado no aeroporto para descrever o que significam sessenta minutos. Em seguida, faça o mesmo pedido a um condenado à morte. Não há dúvidas de que serão descrições diferentes, embora a medida seja a mesma. Tempo é expectativa, é o portão de ferro da angústia. Passa mais rápido ou mais devagar de acordo com o grau de ansiedade do porteiro. Os sentidos são insuficientes para percebê-lo."

in O marido perfeito mora ao lado

terça-feira, 18 de dezembro de 2018

"Faça o bem para si e acredite: ninguém vai se chatear com isso.


(...) Negue-se a participar de coisas em que não acredita ou que simplesmente o aborrecem. Presenteie-se com boa música, bons livros e boas conversas. Não troque sua paz por encenação. Não faça nada que o desagrade só para agradar aos outros. Mas seja gentil e educado, isso reforça laços, está incluído no projeto ‘ser amigo de si mesmo’."

quarta-feira, 12 de dezembro de 2018

"Sou desastrada,


(...) não tenho o corpo perfeito, me esqueço das coisas rápido, gosto muito rápido das pessoas, meu cabelo é bagunçado, sempre fico chateada quando falam mal de mim, mas tento ser forte. Às vezes sou antagônica, mas uma coisa que eu nunca vou conseguir ser é normal."

terça-feira, 11 de dezembro de 2018

"A gente nega que tá cansado,


(...) nega que tá com medo, nega até o quanto que a gente quer ter sucesso. E, mais importante, a gente nega que estamos em negação. A gente só enxerga o que quer e só acreditamos naquilo que queremos e assim dá certo. Nós mentimos tanto que as mentiras começam a parecer verdade. E negamos tanto, que a gente não consegue reconhecer a verdade quando tá na nossa cara."

"Ela teimava em ser diferente,


(...) e ela era."

sexta-feira, 7 de dezembro de 2018

"Sem falar que estava permanentemente ocupada,


(...) em querer e não querer ser o que eu era, não me decidia por qual de mim, toda eu é que não podia; ter nascido era cheio de erros a corrigir."


in Os Desastres de Sofia pertencente a obra “A Legião Estrangeira”

quinta-feira, 6 de dezembro de 2018

''Minha lâmpada de cabeceira está estragada.


(...) Não sei o que é, não entendo dessas coisas. Ela acende e, sem a gente esperar, apaga. Depois acende de novo, para em seguida tornar a apagar. Me sinto igual a ela: também só acendo de vez em quando, sem ninguém esperar, sem motivo aparente. Para a lâmpada pode-se chamar um eletricista. Ele dará um jeito, mexerá nos fios e em breve ela voltará a ser normal, previsível.
Mas e eu? Quem desvendará meu interior para consertar meus defeitos? ''

quarta-feira, 28 de novembro de 2018

quinta-feira, 22 de novembro de 2018